A sublimação

Lucía Barbero Fuks

Resumo


A sublimação é um processo postulado por Freud pelo qual se explicam as atividades humanas que não têm, aparentemente, nenhuma relação com a sexualidade, mas que encontram sua mola propulsora na pulsão sexual. É a única noção psicanalítica que permite explicar que as obras criadas pelo homem – tais como as realizações artísticas, científicas e incluso as esportivas, distantes de toda referência à vida sexual – sejam produzidas por uma força ou energia sexual que surge de uma fonte sexual. Quando se coloca a sublimação das pulsões como o que possibilita o trabalho analítico, o que está em pauta é o aparecimento do sexual na transferência, e não sua suspensão – pois o que está suspenso é a descarga direta. Além disso, sublinhamos que aqui se apresenta o aspecto da sublimação que propicia uma criação, tal como podemos conceber que seja o trabalho analítico.

Palavras-chave


sublimação; pulsão; sexualidade; criação artística; ideal social; narcisismo

Texto completo:

PDF

Referências


FREUD, S. Nuevas conferencias de introducción al

psicoanálisis (1932). In: ______. Sigmund Freud Obras

Completas. Buenos Aires: Amorrortu, 1991. v. XXII, p. 1-168.

FREUD, S. Personajes psicopáticos en el escenário (1905).

In: ______. Sigmund Freud Obras Completas. Buenos Aires:

Amorrortu, 1992. v. XII, p. 273-282.

FREUD, S. Sobre las teorías sexuales infantiles (1908). In:

______. Sigmund Freud Obras Completas. Buenos Aires:

Amorrortu, 1992. v. XIX, p. 183-202.

FREUD, S. Um recuerdo infantil de Leonardo da Vinci (1910).

In: ______. Sigmund Freud Obras Completas. Buenos Aires:

Amorrortu, 1996. v. XI, p. 53-128.

FREUD, S. Pulsiones y destinos de pulsión (1915). In:

______. Sigmund Freud Obras Completas. Buenos Aires:

Amorrortu, 1996. v. XIV, p. 113-134.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Cadernos de Psicanálise - SPCRJ

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.