Somos todos adotados? Parentalidade, família e filiação

Rosa Guedes Lopes, Tania Coelho dos Santos

Resumo


O artigo trata das filiações natural e adotiva na teoria e na clínica psicanalítica a partir dos desdobramentos de uma interrogação mais ampla sobre os efeitos da revolução cultural e sexual subsequente aos acontecimentos de maio/1968. A psicanálise define a família como efeito do desejo sexual decorrente da incidência dos complexos de Édipo e de castração no homem e na mulher. Por isso, se contrapõe às ideologias revolucionárias que pregam a filiação afetiva e a paternidade sociológica. Nas famílias naturais, em que os filhos são concebidos através da relação sexual, o exercício da autoridade parental funda-se na certeza de um direito instituído pelo laço de sangue e não apenas pelo desejo e pelo amor. Como os pais adotivos se autorizam a exercer a função de pai e de mãe? Esse ponto merece cuidado, pois não é possível abolir as consequências das diferenças relativas ao modo como uma criança é concebida.

Palavras-chave


Psicanálise; adoção; parentalidade; família; filiação

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Constituição de 1967. 1967. Disponível em: . Acesso em: 24 set. 2016.

BRASIL Emenda constitucional nº 9, de 28/06/1977. 1977. Disponível em: . Acesso em: 24 set. 2016.

BRASIL. Constituição de 1988. 1988. Disponível em: . Acesso em: 24 set. 2016.

COELHO DOS SANTOS, T. Quem precisa de análise hoje? – O discurso analítico: novos sintomas e novos laços sociais. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

______. 1968: a vacilação generalizada dos papéis sociais. I: SOUBBOTNIK, O. M. M. C. de S.; SOUBBOTNIK, M. A. (Orgs.). Enlaces – psicanálise e conexões. Vitória: GM Gráfica e Editora, 2008, p.313-326.

COELHO DOS SANTOS, T. Desmentido ou inexistência do Outro: a era da pós-verdade. aSEPHallus Revista de Orientação Lacaniana, n.22, p.4-19, 2016a. Disponível em: .

______. A psicanálise é revolucionária ou conservadora? aSEPHallus Revista de Orientação Lacaniana, n.23, p.4-21, 2016b. Disponível em: .

______. O Outro que não existe: da verdade verídica, verdades mentirosas e desmentidos veementes. Revista Ágora (no prelo). 2016c.

COELHO DOS SANTOS, T.; ZEITOUNE, C. da M. Amor, impasses da sexuação e ato infracional na adolescência. Revista Tempo psicanalítico, v.43, n.1, p.85-108, 2011.

DA ROSA, D. B. A narratividade da experiência adotiva – fantasias que envolvem a adoção. Revista Psicologia clínica, v.20, n.1, p.97-110, 2008. Disponível em: . Acesso em: 24 set. 2016.

DUFOUR, Dany-Robert. O divino mercado. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 2008.

FERRY, L.; RENAUT, A. Pensamento 68 – ensaio sobre o anti-humanismo contemporâneo. São Paulo: Ed. Ensaio, 1988.

FREUD, S. (1933 [1932]). Novas conferências introdutórias sobre psicanálise. Conferência XXXV – “A questão de uma Weltanschauung”. ____. Obras Completas. Rio de Janeiro: Imago, 1977. v.XXII.

LACAN, J. (1956-1957). O Seminário. Livro 4: as relações de objeto. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1995.

______. (1958). A significação do falo. Escritos. Rio de Janeiro: JZE, 2003, p.692-703.

______. (1965). A ciência e a verdade. Escritos. Rio de Janeiro: JZE, 2003, p.869-892.

______. (1969). Nota sobre a criança. Outros escritos. Rio de Janeiro: JZE, 2003, p.369-370.

______. (1971). O seminário. Livro 18: de um discurso que não fosse semblante. Rio de Janeiro: JZE, 2009.

______. (1972-1973). O seminário. Livro 20: mais, ainda. Rio de Janeiro: JZE, 2003.

______. (1974-1975). O seminário. Livro 22: RSI. Inédito. [1974-1975].

MARTINS, P.U. (2016). A família homoafetivas e seu legal reconhecimento. Revista Âmbito Jurídico, n.150, ano XIX, jul. 2016. Disponível em . Acesso em 24 jul. 2016.

MILLER, J-A. et al. El Outro que no existe y sus comités de ética. Buenos Aires: Paidós, 2005.

______. Você quer mesmo ser avaliado? Barueri: Manole, 2006.

NERY, R. V. Da filiação socioafetiva: a desbiologização da paternidade. 2014. Disponível em: . Acesso em: 12 jul. 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Cadernos de Psicanálise - SPCRJ

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.