A pulsão e seus desatinos: indiferença e crueldade no contemporâneo

Rachel Sztajnberg

Resumo


O artigo pretende apontar os efeitos das mudanças profundas que se operaram na cultura e no sujeito contemporâneo a partir do célere avanço científico e tecnológico. O excesso de informação, em detrimento da introspecção, teria promovido uma deterioração da subjetividade. Um funcionamento mais automático e superficial priva o sujeito de seu juízo crítico e de reflexões elaboradas. O excesso de demandas o faz agir compulsivamente dentro de um padrão individualista, indiferente ao outro. A falta de empatia deixa-o exposto aos impulsos desenfreados que, perigosamente, colocam em risco ele mesmo, seu semelhante que lhe é estranho, seu meio ambiente, talvez o planeta.

Palavras-chave


pulsão; subjetividade; indiferença; crueldade; contemporâneo

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, Hannah. Eichmann em Jerusalém: um relato sobre

a banalidade do mal. São Paulo: Companhia das Letras,

DERRIDA, J. Auto-imunidade: Suicídios reais e simbólicos in

Borradori, G. (org.) Filosofia em tempo de terror: diálogos

com Jürgen Habermas e Jacques Derrida. Rio de Janeiro,

Jorge Zahar Editor, 2004.

EHRENBERG, A. La fatigue d’êtresoi. Paris, Éditions Odile

Jacob, 1998.

FREUD, S. (1913) Totem e tabu. In: ESB, v. 13. Rio de Janeiro:

Imago, 1969.

FREUD, S. (1915) As pulsões e suas vicissitudes. ESB, v. 14.

Rio de Janeiro: Imago, 1969.

FREUD, S. (1930) O mal-estar na civilização. In: ESB, v. 21.

Rio de Janeiro: Imago, 1969.

HASSOUN, J..La cruauté mélancholique. Paris, Aubier, 1995.

LIPOVETSKY, Gilles. A sociedade da deceção. Lisboa: Edições

, LDA, outubro de 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Cadernos de Psicanálise - SPCRJ

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.